24 de janeiro de 2017

Trump e profecias, e um novo modelo de líder nacional e mundial


Trump e profecias, e um novo modelo de líder nacional e mundial

Julio Severo
Há algumas profecias sobre o presidente Donald Trump, e elas são fascinantes. “Trump se tornará uma trombeta, diz o Senhor,” berrou o “profeta cantante” Kim Clement numa gravação que teria sido feita em 4 de abril de 2007, na cidade de Redding, Califórnia, EUA.
“Trump se tornará uma trombeta. Eu levantarei Trump para se tornar uma trombeta. Eu levantarei Trump para se tornar uma trombeta e Bill Gates para abrir as portas da esfera financeira para a igreja, diz o Senhor.”
Continuando, Clement disse, ou cantou: “Ocorrerá que o homem que eu colocar no cargo mais elevado irá sussurrando meu nome. Mas Deus disse, quando ele entrar no cargo, ele estará gritando pelo poder do Espírito. Pois o encherei do meu Espírito quando ele entrar no cargo e haverá um homem de oração no cargo mais elevado dos EUA.”
Ele disse algo semelhante, de acordo com a gravação, em 10 de fevereiro de 2007: “Haverá um presidente de oração, não um religioso, pois enganarei o povo, diz o Senhor. Enganarei o povo, sim, enganarei, Deus diz, aquele que for escolhido entrará e dirão, ‘Ele tem sangue quente.’ Pois o Espírito de Deus diz, sim, ele pode ter sangue quente, mas ele trará os muros de proteção neste país de um jeito maior e a economia deste país mudará rapidamente, diz o Senhor dos exércitos.”
“Escute a palavra do Senhor, Deus diz, colocarei na liderança de seu país, por dois mandatos, um presidente que orará, mas ele não será um presidente de oração quando começar,” continuou Clement. “Eu o colocarei no cargo e então o batizarei com o Espírito Santo e meu poder, diz o Senhor dos exércitos.”
Clement profetizou também acerca de várias outras pessoas proeminentes, mas essas profecias nunca se cumpriram. Será que sua profecia sobre Trump pode acontecer? Não sei, mas se sua profecia for real, minha interpretação é que Deus está dando uma chance a Trump, assim como ele deu uma chance a Saul. Não há nada de mal em orar para que Trump use sua oportunidade dada por Deus para fazer a vontade de Deus.
Há também outras profecias interessantes sobre Trump. Stephen Powell, num artigo recente na revista Charisma, disse que ele ouviu a voz de Deus dizendo:
Escolhi você, Sr. Trump, e você será um líder para muitos, não só de seu povo, mas do mundo. Você não só será visto, Sr. Trump, mas você será ouvido, pois liberei um som em você, e esse som será ouvido no mundo inteiro. Vai se cumprir alto, e será como uma onda de choque em muitos países.
À medida que você honrar Israel, eu honrarei você.
Escolhi Donald Trump para ser o precursor de um novo modelo de líder nacional; sim, até mesmo uma nova forma de líder mundial.
O fato é que o discurso de Trump contra os neocons foi um avanço revolucionário, um novo modelo de liderança. Nenhum outro presidente americano já falou com tanta força contra os neocons como fez Trump em sua campanha política. Ele cumprirá a guerra que ele prometeu contra os neocons? Não sei.
Essas profecias sobre Trump são confiáveis? Não sei. Mas não há nada de mal em orar para que Trump use sua oportunidade dada por Deus para fazer a vontade de Deus.
Fiquei empolgado que a primeira ação do presidente Donald Trump foi cortar todo financiamento da Federação Internacional de Planejamento Familiar, essa vasta máquina de planejamento familiar, aborto e educação sexual. Essa é uma das organizações mais malignas do mundo.
Os cristãos, inclusive eu, se regozijaram com a primeira grande ação pró-vida de Trump.
Entretanto, George W. Bush adotou a mesma ação exata no primeiro dia de seu governo. Ele cortou todo financiamento da Federação Internacional de Planejamento Familiar.
Os cristãos, inclusive eu, se regozijaram com a primeira grande ação pró-vida de Bush.
E, sim, havia profecias maravilhosas sobre Bush.
Muitos anos atrás, Hank Kunneman disse:
“Depois de Clinton, levantarei um homem como Davi,” disse o Senhor. “Um homem escolhido conforme Meu coração que conduzirá esta nação em justiça.”
Tive uma visão antes da eleição do ano 2000 em que vi o Senhor remover Al Gore e colocar Bush na Casa Branca. Profetizei sobre isso publicamente, de modo que você pode imaginar minha preocupação quando os noticiários inicialmente anunciaram que Gore havia ganho. Eu queria me esconder!
“Os EUA entrarão num período de guerra, mas a restauração começou. Quero este homem no cargo por oito anos, pois enquanto a justiça estiver no cargo, todas as coisas serão expostas.”
Profetas e suas profecias nunca são perfeitos. Ainda que saibamos hoje que a Arábia Saudita é o principal patrocinador do terrorismo islâmico internacional e que os dez terroristas que atacaram o World Trade Center eram muçulmanos sauditas, Kunneman disse:
Como muitas igrejas, minha congregação se reuniu para orar em 11 de setembro de 2001. Enquanto eu estava orando, perguntei ao Senhor quem era responsável pelo atentado. Então tive uma visão de um coração com a palavra “Afeganistão” escrita no centro. As palavras “Síria” e “Iraque” apareceram em torno dele.
Pelo fato de que Bush e Obama interviram nessas nações, mas não ajudaram os cristãos perseguidos na esteira de suas más decisões, as intervenções americanas resultaram em caos total para os cristãos.
A Guerra do Iraque foi um desastre humanitário para os cristãos. Durante sua campanha, Donald Trump disse que o governo de Bush mentiu sobre suas razões para invadir o Iraque. Trump disse que ele se opôs a tal invasão. Cristãos no Iraque pagaram um preço muito alto pela decisão ruim de Bush. A comunidade cristã iraquiana, que tinha mais de 2 milhões de pessoas antes da invasão dos EUA, tem agora menos de 400.000.
Bush tinha um interesse muito forte no petróleo iraquiano, mas nenhum interesse no sangue cristão dos iraquianos.
Os neocons queriam a Guerra do Iraque, e conseguiram. Eles queriam a Guerra Síria, e sob Obama quase conseguiram. E, é claro, eles querem guerra com a Rússia.
Os neocons representam guerra e desastre e até mesmo quando um evangélico os segue, o resultado é sempre guerra e desastre.
O maior erro do evangélico Bush foi seguir os neocons. Foi um erro desastroso.
O evangélico Trump, louvado por novas profecias, condenou a Guerra do Iraque. E condenou os neocons que dominavam o governo de Bush e Obama.
O Trump escolhido por profecias condenou o Bush escolhido por profecias. Aliás, Bush disse que ele não votou em Trump.
Pessoas escolhidas por Deus por meio de profecias são imperfeitas. Os profetas e suas profecias são imperfeitos.
Ainda que as pessoas e suas ideologias (inclusive ideologias teológicas) sempre mudem, Deus nunca muda. Ele era, Ele é e Ele sempre seria um Deus profético.
Deus escolheu Saul como rei de Israel. Mas Ele precisou substituir Sua própria escolha. Ele é imperfeito também? Muito cedo em seu reinado, ou governo, Saul violou a vontade de Deus várias vezes, e ele foi rejeitado. O escolhido foi rejeitado.
Deus sabe escolher? Claro que sabe! Mas o livre arbítrio é para todos, inclusive os escolhidos por Deus.
Deus substituiu o perdedor Saul com Davi, que se conduziu de modo certo e sábio nos primeiros anos de seu reinado. Mas o governo de Davi foi atormentado, depois de seu adultério, por várias calamidades, inclusive uma revolta violenta liderada por um de seus próprios filhos.
Deus escolheu Saul, que por seu próprio livre arbítrio escolheu ser um perdedor ao violar a vontade de Deus.
Deus substituiu o escolhido Saul com Davi, que não perdeu seu reinado, mas perdeu muito de sua paz de espírito e seu povo também perdeu muito de sua paz de espírito com o adultério dele. O pecado pessoal dele afetou gravemente o governo dele e a capacidade de ele governar em paz.
Só porque um homem é escolhido por Deus não significa que ele fará tudo certo. Saul não fez e foi rejeitado. Davi também cometeu muitos erros, mas ele se arrependeu, e Deus escolheu lhe dar mais chances.
Se líderes evangélicos que profetizaram sobre Bush e Trump são falsos profetas, será que Deus também é um falso deus porque Ele escolheu o perdedor e imperfeito Saul?
Se as profecias estão corretas, Deus quer que Trump seja batizado no Espírito Santo e se torne um presidente de oração. Não há nada de mal em orar para que Trump receba essas bênçãos.
Não há nada de mal em orar para que ele não imite os erros calamitosos de Bush.
E não há nada de mal em orar para que Deus o proteja da influência e pressões malignas dos neocons, que inspiraram Bush a lançar a Guerra do Iraque, que destruiu milhares de cristãos no Iraque.
Deus pode usar Trump contra os neocons. E nesta guerra, ele será um novo modelo de líder nacional e mundial.
Com informações do WND (WorldNetDaily) e Charisma.
Leitura recomendada:

23 de janeiro de 2017

Presidente Donald Trump assina ordem executiva para remover todo financiamento externo da Federação Internacional de Planejamento Familiar


Presidente Donald Trump assina ordem executiva para remover todo financiamento externo da Federação Internacional de Planejamento Familiar

Julio Severo
O presidente Donald Trump assinou hoje ordem executiva para remover todo financiamento da rede de clínicas de aborto Federação Internacional de Planejamento Familiar (conhecida pela sigla inglesa IPPF) em suas atividades pró-aborto em outros países. A IPPF sempre dependeu especialmente do governo dos EUA para promover e realizar abortos no mundo inteiro.
A ordem executiva que Trump assinou diz respeito apenas à revogação de financiamento para a Federação Internacional de Planejamento Familiar em suas atividades internacionais e não afeta os tentáculos dessa entidade dentro dos EUA, onde essa federação tem uma vasta rede de clínicas de aborto. Para lidar com o problema nacional, há um projeto de lei que tem a intenção de eliminar o financiamento dessas clínicas dentro dos EUA. O que Trump fez foi eliminar o financiamento americano dessas clínicas em seus serviços fora dos EUA.
Quando o presidente esquerdista Barack Obama havia assumido a presidência dos Estados Unidos, ele imediatamente revogou a Política da Cidade do México, lei da época do governo de Ronald Reagan que proibia dinheiro do governo americano de ser investido em grupos que promovem ou realizam abortos em outros países.
Essa lei, que foi também revogada pelo esquerdista adúltero Bill Clinton e reativada pelo direitista pró-vida George W. Bush, proibia também que dinheiro do governo dos EUA fosse dado para grupos que pressionassem nações a revogar suas leis pró-vida.
Hoje, Trump reativou, com ordem executiva, a Política da Cidade do México.
O ideal seria que Trump, além da revogação, destinasse aos grupos pró-vida os milhões de dólares que Obama dava aos grupos de aborto. Obama soube investir milhões no ativismo pró-aborto. Trump poderia investir milhões no ativismo pró-vida.
A decisão de Trump de enfraquecer financeiramente a Federação Internacional de Planejamento Familiar, que é a maior organização de planejamento familiar do mundo, em seu ativismo pró-aborto internacional é excelente.
Tomara que ele consiga agora enfraquecer essa mesma entidade em seu ativismo pró-aborto dentro dos EUA.
A Federação Internacional de Planejamento Familiar foi fundada pela católica esotérica Margaret Sanger. O maior opositor de Sanger foi o líder evangélico Anthony Comstock, considerado o primeiro líder pró-vida da história moderna.
Com informações de LifeNews.
Leitura recomendada:

22 de janeiro de 2017

Trump recebe com prazer rezas oficiais de líderes protestantes, muçulmanos, judeus, sikhs, mórmons, budistas, católicos, baha’is, hindus e indígenas americanos numa catedral protestante em Washington DC


Trump recebe com prazer rezas oficiais de líderes protestantes, muçulmanos, judeus, sikhs, mórmons, budistas, católicos, baha’is, hindus e indígenas americanos numa catedral protestante em Washington DC

Julio Severo
O presidente dos EUA Donald Trump participou do Culto de Oração Nacional na Catedral Nacional de Washington no sábado com sua família e o vice-presidente Mike Pence. 
Culto inter-religioso para Trump na Catedral Nacional de Washington
Trump chegou à catedral protestante no meio da manhã. O culto incluiu orações de líderes protestantes e rezas de líderes muçulmanos, judeus, sikhs, mórmons, budistas, católicos, baha’is, hindus e indígenas americanos, inclusive leituras do Corão e outros livros sagrados desses líderes religiosos.
O culto de oração nacional é uma tradição de posse que data desde os dias de George Washington, o primeiro presidente dos EUA. Contudo, Washington recebeu orações e leituras da Bíblia só de pastores protestantes.
Enquanto uma grande catedral em Washington, a capital da maior nação protestante do mundo, tinha líderes islâmicos oficialmente rezando e lendo o Corão para Trump, a maior mesquita de Meca, a capital mundial do islamismo, considera sacrilégio, digno de morte, um pastor protestante orar e ler a Bíblia para líderes sauditas em seu espaço.
Mesmo assim, os líderes islâmicos podem usar suas mesquitas e linguagem para promover sua ideologia sob a aparência de diálogo inter-religioso, pois o Corão lhes permite mentir para avançar sua causa. Mas os líderes cristãos não podem usar suas igrejas e linguagem para insinuar que as religiões salvam ou ajudam, pois isso é uma mentira descarada. Só Cristo salva.
Líderes muçulmanos, judeus, sikhs, mórmons, budistas, católicos, baha’is, hindus e indígenas americanos podem entrar em igrejas cristãs e orar por sua salvação, mas eles nunca deveriam ter permissão de ocupar uma posição de fazer rezas oficiais e ler seus livros religiosos. Só a Bíblia deveria ser permitida num púlpito cristão.
A Catedral Nacional de Washington cometeu contra o Senhor Jesus Cristo um sacrilégio que Meca jamais cometeria contra seu falso profeta Maomé.
Meca nunca aceitaria a Babilônia religiosa que a catedral protestante de Washington aceitou.
George Washington imaginou que os EUA se tornariam tal Babilônia? Aliás, David Wilkerson teve uma visão sobre os EUA como Babilônia, e tal é de fato a realidade.
Depois de uma apresentação de “Quão Grande És Tu” Trump liderou os participantes na catedral, na ocasião sentados, a aplaudir de pé.
Líderes religiosos muçulmanos também falaram no culto.
O imam executivo Mohamed Magid do Centro ADAMS na cidade de Sterling, Virgínia, liderou uma convocação muçulmana à reza. Magid era o líder da Sociedade Islâmica da América do Norte de 2010 a 2014.
Mohamed Magid
Depois de Magid, falou Sajid Tarar da Medina Masjid em Baltimore, Maryland, que leu um capítulo inteiro do Corão para Trump e os outros participantes.
Todd Christopherson, representante da igreja mórmon dos Doze Apóstolos, fez uma reza em favor do novo presidente.
O cardeal Donald Wuerl, arcebispo de Washington, D.C., fez uma reza pelos EUA no fim da cerimônia
Por que Trump recebeu com prazer essa Babilônia de religiões, o que é típico de papas e do Vaticano?
Trump é presbiteriano, mas não é um frequentador regular. Ele não frequenta cultos semanais em Nova Iorque, mas nos dias de Natal ele vai à igreja perto de sua propriedade em Palm Beach, Florida. Trump buscou os eleitores evangélicos durante a campanha presidencial e introduziu referências a Deus em seu discurso de posse e citou do livro de Salmos da Bíblia durante uma convocação à unidade nacional.
A Catedral Nacional de Washington de 106 anos tem servido como centro espiritual para os presidentes dos EUA, realizando os funerais dos presidentes Ronald Reagan e Gerald Ford.
Em 2013, o Rev. Gary Hall, deão dessa catedral, disse que os cristãos deveriam adotar o “casamento” homossexual nas igrejas.
De acordo com Scott Lively, a tradição judaica diz que o “casamento” gay foi o último pecado antes do Grande Dilúvio.
With information from Associated Press, DailyMail and Breitbart.
Com informações da Associated Press, DailyMail and Breitbart.
Leitura recomendada:

21 de janeiro de 2017

Relatório secreto de espionagem da CIA de 1983 revelou que os EUA deveriam incentivar Saddam Hussein a atacar a Síria para garantir oleoduto americano de petróleo do Mar Mediterrâneo até Golfo Persa


Relatório secreto de espionagem da CIA de 1983 revelou que os EUA deveriam incentivar Saddam Hussein a atacar a Síria para garantir oleoduto americano de petróleo do Mar Mediterrâneo até Golfo Persa

Thomas Burrows
Comentário de Julio Severo: Petróleo, petróleo, petróleo. É tudo petróleo! Recente reportagem do DailyMail, disponível abaixo, revela que a grande razão para as interferências militares dos EUA no Oriente Médio é simplesmente o interesse comercial de construir um oleoduto para conduzir o petróleo desde os países do Golfo Pérsico até o Mar Mediterrâneo. O “obstáculo” Iraque foi eliminado pelo presidente George W. Bush, que tem um histórico de poderoso empresário de indústria petrolífera. O “obstáculo” Síria ainda não foi eliminado. Meu questionamento é: Como os EUA, a nação cristã mais poderosa do mundo, conseguiu fomentar tantas guerras no Oriente Médio que acabaram trazendo imenso derramamento de sangue cristão por causa de petróleo? Haverá, com certeza, um lugar especial no inferno para quem valorizou o petróleo acima dos milhares de vítimas cristãs que pagaram inocentemente o preço dessa ganância maldita. Não gostamos de ver uma potência pagã se levantando para matar e destruir. Mas pior, para Deus, é uma potência cristã agindo como uma potência pagã. Eis a reportagem:
Graham Fuller
Os Estados Unidos instigaram Saddam Hussein a atacar a Síria de Hafez al-Assad por causa do fechamento do oleoduto de petróleo do Iraque, revelou um relatório de espionagem dos EUA de 1983.
Um relatório, escrito pelo ex-oficial sênior da CIA Graham Fuller, disse que os EUA deveriam na época considerar “instigar o Iraque a provocar guerra com a Síria.”
Com o fechamento do oleoduto, o sr. Fuller disse que a Síria tinha uma “chave de braço” nos interesses dos EUA no Líbano e no Golfo Persa.
Sendo esse o caso, ele disse que os EUA deveriam “agravar fortemente as pressões contra Assad” a partir de três países que fazem fronteira com a Síria e que são hostis à Síria — Iraque, Israel e Turquia.
Enfrentando “três frentes de guerra,” Assad provavelmente seria forçado a abandonar seu fechamento do oleoduto, o relatório afirmou.
O relatório acrescentou que se os EUA quisessem “reinar na Síria” precisavam fazer isso mostrando “força de verdade” e frisou a necessidade de desferir um “golpe forte” no prestígio da Síria.
Leitura recomendada:

20 de janeiro de 2017

Trump fará juramento em duas Bíblias: a mesma Bíblia usada por Abraham Lincoln, junto com sua própria Bíblia de família


Trump fará juramento em duas Bíblias: a mesma Bíblia usada por Abraham Lincoln, junto com sua própria Bíblia de família

Julio Severo
O juramento mais forte é com a mão em cima da Bíblia, assim é a tradição para os presidentes americanos que tomam posse. Donald Trump está jurando com a mão em cima de duas Bíblias: a mesma Bíblia usada por Abraham Lincoln, junto com sua própria Bíblia de família.
Trump fará o juramento na mesma Bíblia usada por Abraham Lincoln para sua posse em 1861.
Além disso, ele planeja jurar com a mão em cima da Bíblia que sua mãe lhe deu de presente quando ele se formou na Escola Dominical da Primeira Igreja Presbiteriana da cidade de Jamaica, em Nova Iorque, em 1955.
Trump exibiu ostensivamente sua Bíblia de família algumas vezes durante a campanha eleitoral.
“Realmente aprecio o apoio que os evangélicos me dão,” disse Trump. “Eles têm sido incríveis. Todas as pesquisas dizem que estou indo muito bem entre eles.”
Não sei por que Trump quer jurar com a mão em cima da Bíblia de Lincoln. Ainda que a Bíblia seja sempre boa, Lincoln tinha conexões marxistas.
Na história dos EUA, a Bíblia de Lincoln foi usada somente na posse de Lincoln em 1861 e por Barack Obama em ambas suas posses, em 2009 e em 2013.
George Washington e outros presidentes americanos, inclusive Ronald Reagan, também tinham Bíblias. Por que Trump fez a escolha de Obama, a Bíblia de Lincoln?
Com informações do DailyMail.
Leitura recomendada:

19 de janeiro de 2017

Observatório da Direita, da entidade esquerdista People for the American Way, está atrás de Julio Severo, de novo… 2


Observatório da Direita, da entidade esquerdista People for the American Way, está atrás de Julio Severo, de novo… 2

Julio Severo
O Observatório da Direita (em inglês, Right Wing Watch), uma grande organização socialista dos EUA, me “expôs” na semana passada, mais uma vez, para sua audiência esquerdista nos EUA por opiniões politicamente incorretas.
O Observatório da Direita disse:
Julio Severo afirma que o Departamento de Estado de Obama fomentou a “guerra cultural em favor da agenda homossexual” no mundo inteiro que foi executada por aquela “neocon pró-sodomia,” Hillary Clinton.
O Observatório da Direita expôs, ao mesmo tempo, James Dobson, Cindy Jacobs, Lou Engle, Lance Wallnau e Rick Joyner apenas por expressarem opiniões conservadoras odiadas pela esquerda dos EUA.
Outros líderes conservadores proeminentes frequentemente atacados pelo Observatório da Direita são: Scott Lively, Pat Robertson, Peter LaBarbera, Tony Perkins, Matt Barber, Linda Harvey, Bill Federer, Michael Savage, Alex Jones, Joseph Farah, Jerry Falwell Jr., Jane Chastain, Erik Rush, Bryan Fischer, Michele Bachmann, James Dobson, Dinesh D’Souza, Barbara Simpson, Mat Staver e muitos outros.
Esta não é a primeira vez que o Observatório da Direita me expôs. Em outubro do ano passado o Observatório da Direita disse:
Julio Severo proclama que “A neocon Hillary e seu vice católico querem expurgar os Estados Unidos de conservadores cristãos reais… Os reais Pais Fundadores da América, inclusive o primeiro presidente americano George Washington, eram brancos, protestantes e conservadores. Eles não eram pró-aborto, pró-sodomia e neocons. Eles nunca apoiariam a neocon Hillary.”
Naquele mesmo mês, o Observatório da Direita disse:
O site BarbWire de Matt Barber publicou um artigo na segunda-feira escrito pelo colaborador frequente Julio Severo, que ficou alarmado com uma “reunião da comunidade bissexual” na Casa Branca no mês passado e, de forma principal, com o discurso de um índio sioux que se descreve como bissexual que começou sua apresentação invocando “o Grande Espírito, Wakan Tanka, para guiar nossas palavras e pensamentos de modo que falemos com verdade e força.”
Numa coluna intitulada “Bisexual Indian Invokes Demons At White House” (Índio bissexual invoca demônios na Casa Branca), Severo escreveu que o homem havia invocado “espíritos homossexuais,” assim infestando a Casa Branca de demônios que só podem ser expulsos por “pessoas que conhecem e usam a autoridade do nome de Jesus.”
“Uma cultura homossexual é uma cultura de possessão demoníaca,” escreveu ele. “A Casa Branca virou morada de demônios?”
O proeminente site ateu americano Patheos também criticou minha perspectiva sobre demônios. Eles não acreditam em nenhuma atividade de Deus e demônios neste mundo. Num artigo intitulado “The White House Must Be Exorcised Of Bisexual Native American Demons, Says Christian Writer” (A Casa Branca Precisa de Exorcismo de Demônios Indígenas Bissexuais, Diz Escritor Cristão), Patheos disse, “Severo descreveu os espíritos/demônios gays como sendo ‘invisíveis, letais e destrutivos’ — o que é fascinante considerando que, até onde sabemos, ninguém nunca foi de fato assassinado por um…”
O artigo do Patheos gerou 110 comentários de ateus furiosos contra Severo.
Em outro artigo ontem, o Observatório da Direita disse: “Julio Severo avisa que se ‘Hillary for eleita, todos nos Estados Unidos e no mundo pagarão caro pelo agressivo ativismo abortista e homossexualista dela.’” (O artigo em português é este: “Por que os evangélicos preferem Donald Trump a Hillary Clinton?”)
O Observatório da Direita expôs, ao mesmo tempo, a Universidade Liberdade, Jerry Falwell Jr., Jane Chastain, Erik Rush, Bryan Fischer, Paula White, Michele Bachmann, Samuel Rodriguez, James Dobson e Mat Staver apenas por expressarem opiniões conservadoras odiadas pela esquerda dos EUA.
Eles também me “expuseram” em 28 de setembro de 2015:
Finalmente, Julio Severo não está contente com a nomeação de Eric Fanning como ministro do Exército dos EUA: “Tenho certeza de que no caso de Obama e de Fanning, o Pai dos Estados Unidos aprovaria sentença neles e trataria, com nojo e ódio, a sodomia e defesa da sodomia deles como um crime infame. No mínimo, Obama seria expulso da presidência dos EUA e Fanning seria expulso do Exército, ambos com desonra, para nunca mais voltarem. Ambos cometeram traição contra o Pai dos Estados Unidos.”
O texto completo em português está aqui: Obama nomeia homossexual assumido para liderar Exército dos EUA
Eles também me “expuseram” em 30 de junho de 2015:
Julio Severo avisa que “A homossexualidade trouxe destruição para Sodoma, e trará destruição para qualquer cidade ou superpotência que a adote. Um remanescente de cristãos fiéis a Deus precisa alertar acerca do perigo da sodomia e apoiar esforços para proteger crianças e suas famílias contra isso.”
Meu texto completo em português está aqui: “Casamento” homossexual dos EUA afetará outros países
Em 18 de junho, o Observatório da Direita de novo me “expôs” dizendo:
Finalmente, Julio Severo quer ver Scott Lively nomeado “como embaixador especial dos Estados Unidos para os Direitos Humanos das Crianças e Sua Proteção contra a Agenda LGBT.”
De novo, o Observatório da Direita leu minha opinião politicamente incorreta no Barbwire.
O que o Observatório da Direita, cujo dono é a entidade People for the American Way, quer?
De acordo com o WND, um dos maiores sites conservadores do mundo, People for the American Way (PFAW) é “uma organização socialista ateísta que, por meio de publicações como seu ‘Right Wing Watch’ [Observatório da Direita] se dedica à destruição dos conservadores em geral.” 
De acordo com seu site, o Observatório da Direita tem uma missão especial de atacar conservadores que se opõem à agenda gay, ao aborto e à ideologia muçulmana.
O Observatório da Direita “expôs” minha opinião em outras vezes também, e eu respondi aqui: Crítica esquerdista perturbada de People for the American Way contra um conservador brasileiro
Qual é a intenção deles?
Em 2011, o WND havia feito uma reportagem (a versão em português está neste link) sobre a monitoração do Ministério de Segurança Nacional dos EUA contra meu blog. Qual era a intenção deles?
No mesmo ano, o WND fez uma reportagem, que se tornou manchete (a versão em português está neste link), sobre o PayPal cortando minha conta depois da campanha de uma organização homossexual nos EUA.
Por que o Golias (Observatório da Direita, Ministério de Segurança Nacional dos EUA, etc.) monitora e se preocupa com um pequeno Davi?
Leitura recomendada: